Patrona da Feira do Livro do Instituto Rio Branco – 2012 – São Leopoldo/RS

De 23 a 25/05/2012 aconteceu a retomada das Feiras do Livro do Instituto Rio Branco – São Leopoldo/RS.
Comemorei a honra de ser a Patrona desta Feira por ter realizado trabalhos com 8 turmas da 5ª a 8ª séries com a leitura de meu livro “Uma turma diferente aprendendo a poupar”.
Durante a Feira experimentei um sentimento muito bom a partir da responsabilidade de ter sido escolhida. Receber o retorno positivo dos pais, alunos e das professoras, me deixou com a certeza de ter cumprido minha tarefa.
Gostaria de agradecer mais uma vez a todos, principalmente as professoras Elza e Gisele, que aceitaram o desafio de trabalhar com meu livro.

Palestra “Educação Financeira” na Feira do Livro do Instituto Rio Branco – São Leopoldo/Rs

Hoje, 23/05/2012  passo a fazer parte da história do Instituto Rio Branco. Pois se no futuro algém precisar contar a história das Feiras do Rio Branco, meu nome estará lá como a Patrona da Feira do Livro de 2012. Por outro lado, o Rio Branco também passa a fazer parte da minha história, pois a partir de agora, com muito orgulho e satisfação, eu sempre citarei: “A primeira vez que fui Patrona foi no Instituto Rio Branco de São Leopoldo, no ano de 2012”.

Pela manhã palestrei para aproximadamente 200 alunos das turmas da 8ª série, Ensino Técnico e Ensino Médio.

Na parte da tarde realizei em dois momentos a hora do conto com os 3º e 4º anos ( aproximadamente 100 alunos) do Ensino Fundamental.

Projeto do Instituto Rio Branco: 8ª séries mostram seu talento

Após três meses trabalhando com o livro “Uma turma diferente aprendendo a poupar” os alunos do 5º ao 8º ano do Instituto Rio Branco de Saão Leopoldo – RS, foram desafiados a criarem redações a partir da leitura feita.

Os alunos 8ª série foram os  primeiros a contar suas histórias. Elas ficaram excelentes!!! Acho que já temos material para pensar em uma publicação conjunta. Vejam as histórias:

Mentes Econômicas – Antônio Tarzo Medina Coeli

Havia duas famílias vizinhas, uma pobre e outra rica, cada uma com um estilo próprio de vida. A maior diferença visível entre as duas era as casas. Os pobres perdiam tempo invejando aquela luxuosa mansão ao lado, enquanto os moradores desta batalhavam e economizavam, apesar de todo o dinheiro que possuíam.
Certo dia, enquanto assistia à televisão o pai da família pobre, soube que sairia o resultado do último jogo da loteria, que premiava com uma bela quantia de dinheiro. Lembrou que jogara e foi checar as cartelas. Olhou atentamente o último número e não acreditou no que viu: ganhara uma fortuna.
Reuniu a família e foram buscar o prêmio. Finalmente poderiam mudar radicalmente de vida: casa, carro de luxo, móveis, eletrônicos eram as ambições no momento. Agindo por impulso, começaram a gastar abusivamente, com o necessário e muitos supérfluos, diminuindo bruscamente o dinheiro.
Após, aproximadamente dois meses, as duas famílias estavam economicamente “parelhas”, apenas com pensamentos diferentes. A primeira mantinha-se econômica e trabalhadora; a outra, consumia mais e mais.
Até que, um dia, o dinheiro da loteria estava no fim e a família, se continuas-se assim, voltaria à miséria. Foi então que a família vizinha começou a interagir com José, dando-lhe dicas sobre economia. Assim, aprenderam uma importante lição: investiram em uma empresa e começaram uma grande amizade.

Vitor

A família de Pablo é rica. Pelo fato de ter dinheiro, gastam muito com bobagens. A casa de Pablo tem cinco quartos, todos com televisão e computador. Ainda ha um quartinho para empregados, também com televisão.A família gosta de esbanjar dinheiro, comprando quase tudo o que veem pela frente. Tem quatro carros de luxo, uma grande piscina no quintal. Sempre que Pablo pede dinheiro ou algo para seu pai, nem pensa duas vezes e da para Pablo.
Já a família de Emanuel não é rica nem pobre. Por isso, todos da família economizam o máximo que podem em tudo. Procuram não deixar todas as luzes da casa acesas, para economizar luz, nunca ficam mais do que cinco minutos no banho. Compram somente o necessário. Procuram não gastar dinheiro com bobagens como chicles, balas. Economizando a família de Emanuel garante o futuro.
Certo dia, Pablo caminhava pelo centro da cidade quando avistou um ex-colega de aula; o Emanuel. Os dois começaram a conversar, falar sobre suas vidas. Emanuel contou a Pablo que economizava junto com sua família. Pablo disse a Emanuel que a partir daquele dia economizaria com a família. Alguns dias depois, os dois se reencontraram, e Pablo contou a Emanuel que estava economizando e que a família também passou a economizar junto com ele.

Em busca de um sonho – Rachel Becker

Mariana era uma menina de olhos azuis claros, cabelo liso, cor caramelo, alta e magra. O sonho era investir em uma roupa para o show do DJ e cantor favorito, David Guetta, pelo qual tinha paixão diferente, um amor inexplicável desde os 12 anos, quando foi influenciada pelo irmão mais velho, Matheus, de 23 anos, e mantém até hoje, já há 15 anos.
Num belo dia, todavia, com as ruas muito poluídas, repletas de lixo jogado no chão, pessoas educadas, que trabalham no lixão, ajudaram a recolher detritos enquanto passavam por eles, Mariana, que fazia parte do grupo, ajudava no serviço, pois precisava de dinheiro para comprar um vestido lindo (para que conseguisse comprar era necessário juntar cerca de quinhentos reais em dinheiro) de saia rodada, colada no corpo, com um laço rosa como complemento.
Chegando à conclusão de que não conseguiria realizar o sonho, resolveu pedir dinheiro emprestado ao pai que cedeu duzentos reais, juntados aos outros trezentos reais, foi possível comprá-lo. Ciente do que acontecia, fez um parcelamento de quatro vezes de cinquenta reais para pagar o que ficou devendo, sem sair no prejuízo.
Logo se passaram os quatro meses e usando o dinheiro do trabalho quitou sua dívida com Osvaldo, moreno e gordo, com uma bermuda Adidas e um boné no dia, também conhecido como parente da garota, que comprava na loja Unimarcas, em Novo Hamburgo. Foi no show com Ana, caracterizada como ruiva, 24 anos, quase 1m80cm, que mesmo assim teimava em usar salto plataforma, por incrível que pareça, mandou arrancar o laço do vestido da amiga. Mesmo sendo lindo, achava-o muito grande e chamativo.
Enfim, após quase três horas esperando na fila que dobrava a esquina, já que o artista mais badalado do momento estava cantando, entraram e aproveitaram a mini-balada ate as cinco horas da manhã.

Ser diferente é comum – Luara Cristina Rech
Jéssica e Amanda eram irmãs gêmeas de 14 anos. Os pais, divorciados. Moravam com a mãe, Camila. O pai pagava o colégio das meninas. Apesar de serem muito parecidas fisicamente, psicologicamente, não. Mesmo que fossem de classe média, Amanda era gastadeira, visto que só comprava supérfluos: muitas roupas, sapatos, doces, maquiagem e tecnologia excessiva. Enquanto Jéssica era econômica, pois consumia itens necessários: roupa, curso de inglês, essencial para o futuro e dança, atividade física importante para o crescimento. Os pais economizavam com Jéssica; porém, gastavam muito com Amanda.
Certo dia, mesmo depois de muito diálogo, Amanda chegou à casa cheia de sacolas. Camila questionou o motivo pelo qual a filha comprara, mesmo sabendo que a mãe estava em uma situação financeira complicada. Amanda respondeu-lhe que, na volta da casa do pai, no centro, passou por muitas vitrines. Como não resistiu, entrou e esbanjou praticamente todo o dinheiro da mesada. Com o acontecimento, a mãe obrigou-a a vender algumas roupas e calçados em um brechó, porque precisaria do dinheiro para pagar as contas.
Depois da escola, Jéssica acompanhou Amanda até o brechó. Lamentando-se, entregou os pertences à lojista. Ao retornar a casa, Camila percebeu a filha irritada. Com isso, a irmã e ela decidiram falar seriamente com Amanda sobre a situação econômica da família. Depois de 2 horas de conversa, a adolescente estava convicta de que mudaria. Para isso, pediu o auxílio da irmã, que sempre soube como poupar. Depois de muito esforço, Amanda aprendeu maneiras de economizar e, assim, ajudou a mãe.

Economizar para o futuro – Alexandre

Janice e Beatriz, duas irmãs supereconômicas, sempre se dedicaram a arrecadar o máximo de dinheiro que ganhavam dos pais, para que,no futuro ,conseguissem pagar os estudos da faculdade e aprender que economizar não é para um dia e sim, para a vida.
As duas desde criança souberam como é bom poupar dinheiro,pois tinham á noção de que gastar dinheiro por algo bobo podia dar prejuízo no futuro.Hoje em dia são mulheres mais amadurecidas e tentam ensinar os filhos do mesmo jeito que aprenderam com os pais no passado.
O importante do economizar é que a pessoa aprende a dar mais valor ao que juntou,e o dinheiro para comprar e faz com que aprenda a ser menos compulsivo e não pensar só em gastar,gastar,porque isso pode trazer muitas vantagens no dia a dia em sociedade.

Esforço feito, sonho realizado – Luan Müller
Arthur era um menino de olhos castanhos, cabelo preto liso, alto, magro e atlético, cujo maior desejo era conseguir um ingresso para a final da taça Libertadores da América que, naquele ano seria disputada por seu time contra um argentino. Como dizem por todo o Brasil: “ganhar é bom, mas ganhar de argentino é muito melhor”. Para realizar o desejo era preciso conseguir dinheiro; portanto, pediu ao pai e à mãe para lhe darem dinheiro para que pudesse comprar o tão desejado ingresso.
Entretanto, como os pais não estavam em uma boa condição financeira, não tinham o dinheiro para dar. Não desistiria, já que tinha poucas tarefas a fazer, bateu de porta em porta no bairro para ver se os vizinhos tinham grama a cortar ou algum carro para lavar para que pudesse ganhar o desejado valor. E assim, Arthur conseguiu dinheiro e guardou-o para que, no fim do mês, quando chegasse o dia do jogo já tivesse o ingresso em mãos.
Os vizinhos foram muito solidários com ele, deixando do lavar o carro ou cortar o gramado para que o menino conseguisse o que queria através do próprio esforço e acabasse dando valor ao empenho na vida. Foi trabalhando até que, uma semana antes do jogo, conseguiu a quantia de que necessitava. Depois de trabalhar duro e conseguir o tão esperado dinheiro, foi ao estádio do time e comprou o ingresso. Quando chegou o dia, o menino foi e conseguiu se divertir apreciando a saborosa vitória do time por quatro a um no sobre o principal time da Argentina.

Lições com a economia – Lucas Moraes Klein

Luciane é uma moça esperta, querida e que adora rock.Mora em Porto Alegre, na vila Cruzeiro,Seu sonho sempre foi assistir a um show d seu maior ídolo, Paul McCartney.No entanto é pobre, nunca viajou, nem se quer saiu de seu estado.A maior oportunidade de vê-lo seria quando viesse para o Brasil.Estuda em um colégio público, muito humilde, onde é considerada uma das melhores alunas, com excelentes notas.
O ídolo Paul viria para o Brasil em uma turnê no estádio Vieira Ramos, estado vizinho.ao saber da notícia decidiu que iria.Mas como?E com que dinheiro?Decidiu então, economizar, Não comprou mais nada que não era necessário, abdicou até o precioso lanche. Certa tarde, o pai juntou uns trocados e apostou na loteria. Luciane ficou braba, uma vez que lhe tinha pedido aquele dinheiro para ajudar a aumentar a economia.
Após uma semana de espera e pouca esperança saiu o resultado: Márcio, pai de Luciane ganhara o grande prêmio. E aí, esforço da menina foi em vão?Pelo contrário, fez a viagem com o próprio dinheiro economizado, assistiu ao show e emocionou-se. Durante toda a volta refletiu: foi boa a economia, aprendeu a poupar, dar valor ao dinheiro economizado e entendeu o peso que têm o dinheiro no nosso dia-a-dia. Prometeu a si mesma que, a partir daquele dia, ainda que estivesse agora bem de vida e rica, nunca deixaria de economizar e ter “os pés no chão”.

Aprendendo o correto – Júlia
Fabiana e Bruna eram melhores amigas;porém,a primeira gastava o necessário e a segunda o que não era essencial.Bruna não parava de comprar supérfluos:sapatos,doces,maquiagem e joias,enquanto Fabiana comprava material escolar e,quando realmente precisa,roupa.A mãe é a melhor amiga de Bruna.Não aguentavam mais,Bruna falava e se exibia para a amiga que tinha roupas melhores que a dela.
Fabiana sempre a avisava para parar com essa mania de passar por uma loja e comprar tudo o que via pela frente,pois um dia o dinheiro da mãe acabaria e ficaria difícil de lidar com essa situação.Fabiana também estava consumista demais.Toda vez que aparecia uma oportunidade recusava,pois achava que gastaria.Bruna era capaz de matar aula para ir ao shopping com outras amigas que também gastam demais.
A mãe de Bruna resolveu colocá-la de castigo cada vez que fosse ao shopping para comprar roupas.Fabiana começou a aceitar as oportunidades que a vida dava para ela:viajar,concorrer a prêmios.Desse jeito,Bruna aprendeu a economizar para depois comprar o que precisava e não gastar o dinheiro de outros e Fabiana parou de ser tão consumista que nem era antes.

A família unida e econômica – Gabriel Isopo
Na casa de Rodrigo, os pais são muito rigorosos quando assunto é economia.Desde pequeno, aprendeu a economizar, dês da compra dos seus materiais escolares até a de roupas e lanches.Aprendeu que guardando até uma simples moeda, está economizando.Tenta poupar o máximo possível.Não compra utensílios desnecessários, como brinquedos que sabe que não usará.Mas não é só, ele que guarda.Sua mãe faz o possível e o impossível para não usar o cartão de crédito.
Já na família de Gustavo, onde os país são muito bem sucedidos, esbanjam com roupas de marca, viagens longas e cara e brinquedos que mais tarde seriam largados.Sempre que Gustavo gastava o dinheiro, era só pedir mais para o pai, sem hesitar.Dava e incentivava o filho a gastar.Gustavo nunca precisou economizar, pois sempre ganhou tudo.O lanche era sempre o melhor.
Certo dia, a família de Rodrigo e a de Gustavo encontraram-se em um supermercado.Começaram a conversar e Rodrigo sugeriu a Gustavo que perguntasse a seus pais se eles queriam fazer um dia de economia junto a sua família.Ele perguntou e os pais toparam, deram umas voltas pelo supermercado e compraram alguns produtos.Na hora de passar no caixa, a família de Gustavo viu a diferença.Agradeceram e despediram-se.

Os opostos atraem-se – Carolina Silveira
Em uma noite de inverno, Lúcia, uma grande empresária da área de cosméticos, brigou com o marido, mais uma vez, pelos altos gastos com bebidas. Maurício, um jogador de futebol recém-aposentado, punha as derrotas na bebida, era alcoólatra. Lú – como era chamada – temia que o vício fosse infinito, e junto, os gastos.
Sempre foi preocupada com dinheiro, pois, na infância, era pobre. O contrário de Maurício, “nascido em berço de ouro”. Valorizava cada centavo ganho com trabalho; ele só pensava em gastá-lo. Preocupada com o décimo quinto aniversário de Lola – a única filha do casal – decidiu acabar com os prejuízos do cônjuge, colocando-o em uma clínica de reabilitação.
Tentando recuperar a quantia perdida, trabalhou muito, enquanto o companheiro curava o vício. Lola percebia o esforço da mãe. Então, começou a levar a merenda de casa para a escola, ao invés de comprá-la. Todos estavam fazendo sua parte.
Passados dois meses e meio de reabilitação, voltou para a casa, consciente dos limites. Os três sentaram e iniciaram uma conversa sobre economia. A decisão tomada foi o equilíbrio do consumismo de Maurício co a necessidade de poupar de Lúcia. Desta maneira, fizeram a melhor festa de quinze anos para a filha.

Os opostos atraem-se – Giuliana Freitas

Em uma tarde de verão, como todas as outras, em Curitiba, Letícia,uma mulher bonita e inteligente,formada em Direito na melhor faculdade do país,estava no escritório,quando,recebe uma ligação informando que fora convidada para ir ao shopping com a amiga.Isso nao acontecia,pois sair é sinônimo de gastar,e disso ela não gostava,nem um pouco.Anoiteceu e continuava trabalhando.Ao chegar em casa,o marido,Dr.Luciano – um homem bem sucedido financeiramente- estava na sala assistindo à televisão;porém,aquela não era a televisão de costume e sim uma nova.Esse era o passatempo preferido dele:gastar.
O final de semana chegou,e mais uma vez,Letícia deixa seus afazeres em casa para ir trabalhar.Luciano não gosta nem um pouco e,como uma forma de vingança,resole sair para comprar.Este é um dos principais motivos pelos quais costumas brigar:ela é completamente “mão de vaca” e ele ,extremamente consumista.Ambos não mantêm uma relação muito boa com a economia.Tudo que Letícia guarda não é utilizado,tamanho é o apego que tem por estes.Já Luciano,não se importa com o dinheiro.Em razão disso,não reflete em seus gastos.
Com o passar do tempo,percebem que lidam de maneiro errada com o dinheiro.Percebem também que,se unissem um pouco de cada um,encontrariam a forma perfeita para lidar com as finanças,Sendo assim,refletem e começam a agir dessa maneira.Gastos são bons,quando pensados antes de feitos.Poupar é ótimo;entretanto,não é por isso que não gastaremos com mais nada.Trabalhar e ganhar dinheiro é muito bom;contudo,é ainda mais satisfatório ter dinheiro para tirar um tempo de descanso e gastar com aquilo que gosta.

Poupando no exterior – Vinícius Pressi

Felipe era um garoto que sempre poupava o dinheiro. Era muito cauteloso e sabia gastá-lo. Estava em um avião a caminho dos Estados Unidos, onde passaria o ano na casa dos tios para estudar. Depois do voo de dez horas, chegou ao aeroporto John. F. Kennedy, onde encontrou os tios na sala de desembarque, esperando-o. Depois de se cumprimentarem, foram para casa. Os tios moravam em um grande e luxuoso apartamento em Manhattan, com dois andares e vista para o Central Park.
Quando chegou ao apartamento, logo reconheceu o primo Kevin, um sujeito alto que sempre usava anéis, colares e roupas de marca, jogando videogame. Depois de uma longa conversa, notou que o primo era muito consumista, comprava o que queria quando queria. Após uma semana, as aulas começaram e o consumismo de Kevin ficou evidente. Todo dia estava com um relógio diferente e outros acessórios caros. Os meninos que andavam com o primo tinham o mesmo perfil.
O tio de Felipe trabalhava na bolsa de valores. No meio do ano perdeu uma grande oportunidade de negócios fazendo com que sua empresa falisse e foi despedido. Logo a família começou a passar dificuldades, porém, Felipe sabia o que fazer, pois o pai já perdera o emprego várias vezes e sabia como era a situação. Disse para os tios gastarem no máximo metade do salário e economizarem o resto. Depois de algumas semanas o tio conseguiu um emprego em uma grande empresa e a família se reestabeleceu, mas continuou a praticar a solução proposta por Felipe. Alguns anos depois, Felipe voltou aos Estados Unidos mas, dessa vez, para trabalhar com Kevin que se tornou o mais poderoso empresário do país graças a ajuda do primo.

O mentiroso – Gabriel Winter

Certa vez, um menino mentiroso chamado Pedro foi a um mercado comprar doces com o dinheiro que a mãe deu para ele comprar um caderno.
Pedro sempre mente para a mãe dar-lhe dinheiro. Com ele, Pedro vai a festas, compra balas, gomas de mascar e jogos, sempre com o dinheiro das mentiras.
Na escola, Pedro tirava notas baixas, mas sempre dizia à mãe que estava bem no colégio. Um dia, a sua mãe descobriu as notas baixas e ficou de castigo. Depois disso, parou de mentir sobre as notas, mas ainda mentia para ganhar mais e mais dinheiro.
Em um dia de aula, Pedro sentou na classe; logo, a professora mostrou uma atividade em que ele teria que anotar e depois cortar gastos. Nos primeiros dias, não levou muito a sério, mas, depois de ler um livro que a professora sugeriu, começou a dar valor ao dinheiro e parou de mentir para a mãe.

A Importância de Economizar – Marcel Bernard
Matheus era um garoto bastante consumista que morava com os pais.Ganhava mesada e, na primeira semana do mês, gastava tudo com bobagens.Os pais tinham um salário razoável que lhes dava uma vida confortável.Eram brasileiros; entretanto, mudaram-se para o Canadá faz alguns anos.O garoto nascera lá; logo, não sabia como era a vida no Brasil.O primo Pedro, econômico, poupava a mesada.Cursaria o Ensino Médio, custeado pelas economias.
Ao chegar no aeroporto, o garoto logo reconheceu o primo Matheus e os tios, sempre vestindo roupas caras.Já no carro, perguntaram-lhe como arcaria com as despesas.Respondeu que os pais lhe mandariam o dinheiro da mensalidade da escola e um pouco a mais para poder passar o mês.Pagaria isso com as economias.Os tios admiraram-se, pois o filho não economizava nada.Deram-lhe um ultimato:se não mudasse de atitude, não faria a viagem de fim de ano.
Durante o ano letivo, o garoto começou a trabalhar economizando o máximo possível; já o primo, considerava isto ridículo, achando que os pais estavam brincando.Com a conclusão dos estudos, o garoto voltou ao país de origem, o Brasil.Os tios fizeram-lhe uma surpresa e voltaram com ele, para rever a família; no entanto, não levaram o filho, já que este não fez a sua parte.Então, Matheus percebeu a necessidade da mudança começou a seguir os passos do primo, que, com as economias, comprou um carro novo e pagou sua faculdade.

Lição econômica – João Augusto Tonial Laner

Alan era um adolescente de 16 anos, que morava somente com o pai,pois a mãe morreu quando era pequeno numa viagem de negócios. Este afastamento da mãe deixou-o muito magoado; contudo, recebeu 70% da herança deixada pela mãe. O pai, desde sempre um homem muito humilde, quando tocou na quantia recebida, virou ambicioso e golpista.
Condenado, a herança foi deixada inteiramente ao filho. O jovem começou a morar de aluguel, sobrava muito dinheiro, só que, como o tempo passava e os gastos aumentavam, o dinheiro começou a faltar.
Quando andava pensativo na rua, encontrou um amigo, que, sabendo da situação em que se encontrava alertou Alan sobre uma palestra educacional, que alertava sobre o consumismo excessivo. Depois da palestra, Alan ” tomou jeito na vida” e poupava o necessário.

A INICIATIVA –  Antônio Tarzo de Medina Coeli
Duas famílias vizinhas, sendo uma pobre que morava numa casa com quatro paredes mofadas, um teto furado, apenas um cômodo e colchões no chão. A rica, numa mansão, com sete quartos, uma sala imensa e todo o luxo que uma residência poderia ter. A família menos bem sucedida não tentava economizar o dinheiro que ganhava com o lixo que catavam. Enquanto os bem sucedidos, economizam ao máximo, tudo o que podiam; entretanto, sempre aproveitavam o que tinham.
Os mais humildes começaram a procurar emprego após notarem que quem habitava a casa ao lado, melhoravam de vida e eles não. Entretanto, como não tinham curso superior, não conseguiram trabalho. Foi quando souberam que seus vizinhos ricos dariam uma palestra a quem quisesse ouvir, sobre como melhorar de vida economizando. No momento em que descobriram a notícia, ficaram muito contentes e sorridentes, mesmo que seus dentes não fossem tão inteiros, quanto se espera que seja.
Dia vinte e sete de agosto de dois mil e onze, o sol brilhava, sem nuvens no céu, a brisa passava entre as árvores centenárias, onde as cadeiras estavam postas sob elas, para que os ouvintes se sentissem melhor. O pai da família humilde vestia um terno cinza, sapatos marrons e uma gravata amarela, a roupa mais elegante que havia em seu roupeiro todo furado por traças.
Após a palestra, descobriram o que precisava para começarem a melhorar de vida; cursar uma faculdade para arranjar um emprego e economizar todo o dinheiro que ganharia para poder proporcionar um lugar melhor para seus filhos morarem. Seis meses depois, ele e a esposa conseguiram um emprego; no entanto, não pagavam muito bem pelo serviço. Entretanto, o suficiente para começar a economizar e melhorar de vida; enquanto os outros ficavam cada vez mais ricos.

Para nossa alegria – Kevin

Nicholas era um garoto de 14 anos de idade, alto e magro. Vivia com a mãe, pois, quando criança, o pai morrera num acidente de trânsito. Depois do acidente, passou a contar piadas para si mesmo e para a mãe para expulsar a tristeza. Ninguém o entendia, só falavam: “Seu pai morto e você, contando piadas!?” ou “Depois que seu pai morreu passou a ser mais feliz, moleque !?” mas nada disso era verdade. O melhor amigo era Carlos, o vizinho, muito semelhante a Nicholas.
No primeiro dia de aula, Nicholas procurou algum ex-colega: porém, não achou nenhum, pois oram para outra escola. Desanimado, olhou para a o lado pensativo, quando avistou o vizinho vindo em sua direção com a mão esticada para cumprimentá-lo. Os dois odiavam a nova sala de aula, porque estava caindo aos pedaços. Então, decidiram poupar uma grana para a reforma.
No outro ano, formaram-se; porém não conseguiram pagar a reforma, então desistiram disso. No ano em que fizeram 20 anos, arrumaram emprego em uma empresa, a qual era do pai de Carlos, e, quando se aposentou, os rapazes ficaram com ela. Assim, estavam ganhando muito bem e depositando 40% dos lucros em sua poupança, em seguida, compraram um carro. Amavam o veículo, iam para todo lugar com ele.
Infelizmente, pouco depois de comprarem o veículo, Nicholas estava seriamente doente e pediu para Carlos ir até sua casa, o que demorou quase 3 horas. Chegando lá, disse que precisava falar de algo muito sério; contudo, o doente pediu a palavra, e, com ar de vítima fingida, começou um discurso dizendo que, em breve, morreria. Tudo durou mais de 1 hora. Terminado o discurso, perguntou o que queria dizer quando chegou á Carlos. O mesmo disse que o air bag do carro funcionava muito bem. Ao ouvir isso, Nicholas deu um pulo da cama e começou a xingar o outro. Enfim, tiveram que investir o resto do dinheiro da poupança no conserto do carro, mas não desistiram. Começaram do zero e voltaram a investir na poupança, viraram, no fim, grandes acionistas.

As portas que a economia abre – Laura Wirtti

Como quaisquer garotas de quinze anos, Manuela e Eduarda tinham sonhos. Um deles era viajar para Londres e conhecer culturas diferentes. Eduarda tinha condições de pagar a viagem com as economias, pois era uma menina organizada. Já Manuela, era humilde. Vivia da aposentadoria da avó, pois os pais haviam morrido quando era criança. Nem lhe passava  pela cabeça economizar, até o dia em que Duda mostrou que a viagem seria possível.
As garotas abriram um brechó e venderam roupas que não usariam mais; todavia, ainda faltava dinheiro. Resolveram, então, inscrever-se no quadro “Em busca de um sonho” do Caldeirão do Huck e, com muita persistência, foram chamadas pela produção. Lá, tiveram que responder vinte perguntas sobre conhecimentos gerais e acertaram dezessete, o que lhes dava setecentos mil reais. Com esse dinheiro, Manuela viu que a viagem estava cada vez mais perto.
Chegou o dia tão esperado. A ansiedade tomou conta das amigas; contudo, nada impediu que tudo fosse perfeito. A organização e responsabilidade de Duda fez com que pudessem aproveitar ao máximo tudo o que Londres oferecia e, ainda, sobrou dinheiro. Com o restante, ajudaram instituições de caridade e tiraram muitos animais das ruas. Além de realizarem sonhos contribuíram para uma sociedade mais justa e igualitária.

Em busca de um sonho – Gabriela Cornelius
Como muitas garotas, Alice e Júlia tinham o sonho de ir a Londres, em comemoração aos quinze anos. Porém, Júlia era humilde, morava com os avós e batalhava pelo dinheiro. Já Alice possuía tudo o que queria.
Queriam muito viajar juntas. Era um sonho; contudo, Júlia não tinha condições. Então, a amiga resolveu criar um blog para vender roupas velhas, já que precisavam juntar dinheiro. Passaram meses envolvidas no negócio; entretanto, um hacker invadiu a conta bancária e roubou toda a verba ganha.
Pela falta de atenção e cuidado, não puderam concretizar a viagem. No entanto, amigos e familiares deram a elas uma simples festa. Não foi como realizar o sonho, mas aprenderam a dar mais valor ao que tinham.
Alice passou a ajudar aos pais e economizar, já que batalhavam para dar tudo a filha. Enquanto Júlia cortou fastos desnecessários e, a cada mês depositava uma quantia, por menor que fosse, na poupança que abrira no fim da confusão. As amigas aprenderam da pior forma o verdadeiro valor do dinheiro e que nem tudo na vida é fácil.

Maria – Raquel Vasconcellos
Maria uma menina extrovertida
passa o dia inteiro fazendo comida
porque tem uma padaria na esquina
faz entregas com o carro gastando muita gasolina.
Seu produto mais vendido é pão com carne moída
mas, de vez em quando, dá uma descontraída
indo ao baile com as amigas
tem uma chamada Gabriela
e dela compra suas panelas
mas as panelas são muito caras.
Por isso, vende doces em forma de arara
em homenagem ao tio
apaixonado pelo filme Rio,
ele morreu capotando o carro,
um dos mais caros.
Não deixou herança
Nem por isso, ela perdeu a esperança
sabe economizar
mas sempre guarda dinheiro
para poder doar.
Um dos passatempos preferidos
doa também fermento e alimento.
É uma pessoa econômica.
O seu marido trabalha como baterista
como seu primo Batista.
Se economizar garantirá um bom futuro
faça que nem João e Maria
economizando com responsabilidade.