“Educação Financeira: uma prática interdisciplinar” – FACCAT/RS

 

Hoje, 31/10/2012, no Curso de Extensão “Educação Financeira: uma prática interdisciplinar” estaremos assistindo um documentário que trata do aproveitamento total dos alimentos…

E,  esse documentário, também mostra  pessoas que vivem(sobrevivem) da reciclagem. Após discutiremos, com a presença da professora Simone Momberger ( colega de trabalho e parceira em projetos de Educação Financeira) sobre como trabalhar esse tema em sala de aula de forma interdisciplinar, visto que é um assunto dos mais relevantes para serem trabalhados na Educação Financeira.

Discutir sobre finanças pessoais, o planejamento orçamentário e o uso e ganho do dinheiro é importante. Porém, não podemos falar em Educação Financeira pensando só o lado financeiro, sem considerar a utilização consciente e responsável dos recursos naturais. Deo que nos adiantará ter recursos financeiros, saber administrar nossos salários se não tivermos uma postura de preservação do mundo em que vivemos? É importante, também, conhecer e assumir nosso papel de cidadão. A nossa responsabilidade com o lixo não pode ter o percurso de nossa lixeira até a porta em frente à nossa casa. A quantidade de comida que é desperdiçada diariamente, o meu uso dos alimentos, a separação do lixo para reciclagem são questões que exigem de nós um posicionamento. ( Denise Kern)

Anúncios

“Educação Financeira: uma prática interdisciplinar” – FACCAT – Taquara/RS

Hoje, 24/10/2012,  o assunto do Curso de Extensão que estou ministrando na FACCAT será o Planejamento Orçamentário. Leia artigo meu publicado na Revista Novolhar de 2008.

A visão que tenho de Educação Financeira é algo que poderá ampliar a concepção e a leitura do mundo em que se está inserido. Acredito na necessidade de compartilhar a reflexão quando são discutidos os problemas finaneceiros, os planejamentos orçamentários, os objetivos para o futuro, as escolhas que se tem feito, a qualidade de vida que se deseja e tantas outras quaestões a que esse tema remete. E é compartilhando que se conhecem as próprias necessidades e se pode ajudar outros a visualizar as deles (kern, 2011, p.195).

Porque, a solução que o Hagar encontrou não é possível!

“Educação Financeira: uma prática interdisciplinar” – FACCAT – Taquara/RS

Na quata feira, 17/10/2012 aconteceu nossa 7ª aula do Curso de Extensão “Educação Fianceira: uma prática interdisciplinar” na FACCAT – Taquara/RS. Na oportunidade contamos com a presença do Auditor Fiscal, Roberto Bellini, pois o assunto eram os Tributos no Brasil.

As professoras apresentaram pesquisa de alguns Tributos entre Impostos, Contribuições ou Taxas. O desafio da bióloga, Ana Cláudia foi falar sobre a taxa de controle e fiscalização ambieltal (TCFA)

Na sequência, as professoras Greice e Jocieli apresentaram sobre o INSS.

Após,   as professoras Maria Aparecida e Daiane apresentaram sobre IPVA.

Ainda tiveram mais apresentações sobre IR, IPTU, IOF, ITBI, ISSQN, e Taxa de Energia Elétrica. Contamos durante as apresentações de intervensões do Auditor, Roberto e do Coordenador do Curso de Matemática, Zenar. Foi uma noite muito produtiva. O assunto: Tributos e um tema que precisaria de mais tempo para discussão, porém acredito que nodos aprendemos muito naquele momento.

Educação Financeira: uma prática interdisciplinar – FACCAT – Taquara

Depois de trabalharmos o uso do cartão de crédito e o uso do cheque, hoje o grupo de professores vai analisar qual a melhor opção de pagamento de suas compras: à vista ou a prazo?

No  Curso de Extensão para formação de professores em “Educação Financeira: uma prática interdisciplinar” trabalhamos com situações fictícias ( no caso do uso do cartão e do cheque). Mas hoje os professores foram desafiados a realizarem orçamentos de algo que estão pensando em adquirir. Assim farão os cálculos  para avaliar qual a melhor opão. Com o uso do programa Excel vamos aproveitar e comparar com os juros da poupança.

O professor Ricardo realizou seu exemplo, projetando os dados para o grande grupo. Após,discutimos os critérios que levam as pessoas a realizarem suas compras com pagamento à vista ou a prazo. Fizemos uma projeção do valor das prestações, se depositados na poupança, em quanto tempo teríamos o valor para comprar a a vista. Das simulações feitas podemos afirmar que pelo menos um terço do valor dos produtos são pagos a mais que o valor à vista.

Durante os depoimentos, a professora Liane, que é empresária, também, falou que sabe “na ponta do lápis” qual o valor de cada mercadoria de sua loja. Assim, sabe, também, até quanto pode ser o desconto nas compras à vista. As professoras Diana e Denise, concordaram com ela, da mesma forma que a Aline, estudante de Administração.